domingo, 27 de março de 2011

Fluminense e Vasco ficam só no 0 a 0 e Tricolor se complica

Com a moral renovada após a sensacional virada, no meio da semana, sobre o América (MEX), pela Libertadores, o Fluminense voltou a campo neste domingo. No lado adversário, nada mais, nada menos, do que um dos maiores rivais da sua história, o Vasco, que vive uma melhor fase no momento. Nas arquibancadas, vitória cruzmaltina no quesito quantidade. Dentro de campo, equilíbrio total: 0 a 0.

A partida começou num ritmo alucinante. O Tricolor parecia afobado no início, mas logo tomou as rédeas do clássico. Até os 20 da primeira etapa, os comandados de Enderson Moreira chegavam bem ao ataque. No único lance de lucidez, Conca deu uma caneta em Diego Souza e obrigou Prass a praticar boa defesa, aos 10 minutos. Entretanto, o argentino errava muitos passes, dando chance do Cruzmaltino chegar perigosamente nos contra-ataques.

No setor defensivo, Digão fazia partida primorosa, ganhando todas as disputas com os atacantes vascaínos. Com 21 minutos jogados, Souza cobra escanteio, Valencia resvala de cabeça e Fred quase consegue empurrar a bola para as redes adversárias. A partir daí, surge a estrela do surpreendente Berna. Cinco minutos após o camisa 9 tricolor, por pouco, não abrir o placar, o arqueiro fez boa defesa em cobrança de falta de Bernardo.

O show do camisa 1 não parou por aí. Aos 35, com outro chute de Bernardo, Berna espalma, providencialmente, espantando o perigo. Dois minutos mais tarde, contou com a sorte, pois o arremete de Eder Luis explodiu no travessão. O milagre estaria por vir: outra vez Bernardo encontra espaço para chutar e o arqueiro, de mão trocada, pratica um verdadeiro milagre.

No segundo tempo, o cenário da partida voltou a ficar equilibrado, as o principal articulador do Flu, Conca, permanecia cometendo erros incríveis. Pior do que ele, só o Gum, de pixotada em pixotada. Deco, que entrou no lugar de Souza, deu um pouco mais de inteligência ao setor de armação. Em contrapartida, o time desacelerava nos ataques. Mariano subia pouco, tanto por conta da forte marcação como pela aparente falta de ritmo. Um lance merece registro: aos 17 da etapa final, Julio Cesar foi até a linha de fundo (isso mesmo, você não leu errado) e cruzou... para ninguém. Mas ele, finalmente foi apresentado aquele setor do campo.

Verdade seja dita: o lateral-esquerdo arriscou bons chutes cruzados, no segundo tempo. Num deles, já no final do jogo, Prass fez boa intercepção, espalmando a redondinha. Nem parecia ser aquele camisa 6 que nos acostumamos a ver. Aos 36, Deco arriscou bom chute e, outra vez, o arqueiro vascaíno tirou o perigo. No final, o Tricolor – tentando recuperar o bom futebol – ficou no 0 a 0 com um Vasco que dizem viver a sua melhor fase na temporada.

3 comentários:

Cleber Soares disse...

Luciano,
a vida do tricolor não anda nada fácil, elenco tem de sobra, mas o caso Muricy e o amadorismo explicito de sua diretoria, podem por a perder um trabalhao que vinha sendo a contento, esqueça o carioca, a meta é a libertadores, se não vier, pode preparar o ouvido..... visto o mengo ano passado....

BLOG DO CLEBER SOARES
www.clebersoares.blogspot.com

FuteB.R.O.N.C.A.! disse...

Joguinho chato e amarrado. aquém do que as 2 equipes podem produzir. Deu sono!

Saudações!!!

CALIGULA disse...

Flu tiene que levantarse a ser lo que fue!!

Saludos porteños.

Postar um comentário